Etnocentrismo e o Outro

19/05/2009 às 8:29 PM | Publicado em Papo com o Leitor | 8 Comentários
Tags: , , , , , ,

Originalmente isso era uma resposta ao comentário do nosso amigo Letty, no post da “Shojo S”. Mas, como ficou muito grande, resolvi fazer um post sobre isso. Só gostaria de avisar ao Letty que isso ERA uma resposta ao comentário dele, mas emendei em uma mensagem que fosse pra todos e fazendo de gancho o comentário dele. Vamos lá:

Eu quis dizer impactante de forma positiva. "Shojo S" foi impactante de forma negativa. Mas, pra mim, foi positiva, sim, já disse que gostei. Com um nome como "Shojo S", eu já esperava uma música mais tranquilinha, mais YUI, ou seja, a batida é legal. Alguns consideram "batida legal" rock pesado, mas comigo não é só isso. Não acho que foi brincadeirinha, a mente dos japoneses é muito diferente da nossa. Tenho certeza de que muito mais gente no Japão gostou da música do que aqui. Acho até que eles pensaram: "Finalmente uma abertura que não é só ceninha de ação! Algo mais artístico e bem bolado!"

Eu não queria dizer isso, mas, nós brasileiros somos chatos demais. Somos mente fechada demais. Nos achamos capazes de julgar se o modo como os japoneses estão produzindo um anime é certo ou errado, ou seja, para nós a nossa opinião, o que queremos e o nosso modo de pensar são os mais importantes (quase um etnocentrismo, hehehe) quando eles estão pouco se lixando se tem gente da América Latina assistindo ou não (até porque eles devem nos ver como tendo uma forma de pensar “bárbara, primitiva e preconceituosa”), para eles o que interessa é o modo de pensar e gostos JAPONESES. Temos que parar com isso de: "Quero música de abertura punk rock sempre, quero que o Zaraki apareça sempre, quero que o Ichigo e o ‘Emoquiorra’ morram", etc.

E aceitem, o Sasuke (sim, agora falando de Naruto) é EXTREMAMENTE popular no Japão, se não o mais popular, e aqui ele é altamente detestado, xingado e zoado. Percebem como o que impera é o que os japoneses preferem? E Naruto nem mesmo é TÃO popular assim no Japão comparado a outros certos animes e mangás. A mente deles é mesmo muito diferente, o que pra nós é coisa de menina, emo ou gay, pra eles é algo estiloso, e depois ficamos “Ps” da vida porque eles estão dando mais atenção a essas coisas do que àquilo que nós queremos que eles dêem. E o pior: Não entendemos por que eles gostam de tais coisas. Cara, é tão simples! Porque sim! Diferença de culturas, ora! Mais uma vez falo esse termo importantíssimo em sociologia, a qual venho estudando: ETNOCENTRISMO. Que é a tendência em se pensar que a cultura, costumes e modo de pensar do meio em que se vive são os melhores, os mais certos e os “normais” em comparação aos dos outros.

Mesmo que você goste de animes e queira assisti-los, prepare-se pois você VAI encontrar coisas das quais você não gosta, porque o choque de cultura e pensamento é grande demais por mais que você goste daquilo no geral. Lógico que não gostamos de coisas produzidas no ocidente também, mas, esse “não gostar” é diferente. Um é mais pela falta de qualidade de algo, o outro pela falta de entendimento.

Alguém conhece um grupo musical japonês chamado Hey! Say! JUMP? Ele é composto de dez meninos de idade entre 13 a 19 anos, por aí, que canta musiquinhas bem pop (daquelas de agradar meninas). Se um brasileiro que gosta de anime e cultura pop japonesa em geral, por mais que ele goste dessas coisas, visse algumas cenas dos bastidores desse grupo, iam achar que são gays! Porque a forma como eles agem e interagem é de um jeito diferente da amizade daqui, pois ela contém ações muito, digamos, carinhosas. Um dos membros mais velhos deixava um dos mais novos sentar no colo dele e todos comentavam o quanto o menor era kawaii (algo como “bonitinho”) fazendo isso. Pra eles, isso não é ser gay, esse tipo de termo dificilmente passa pela cabeça deles, apesar deles saberem o que é, claro, mas atos assim não são considerados como tal.

O mesmo pode-se falar dos emos. Que eu saiba, do tanto que já li coisas de lá e conversei com pessoas de lá, eles nem sabem o que é isso. Muitos brasileiros, se estivessem no Japão, iam olhar pra um garoto japonês na rua e poder pensar que ele é emo. Não! Ele nem sabe o que é isso, pra ele é só o estilo normal dele ou o que está rolando entre os adolescentes! E mangás e animes — com seus personagens de personalidades exageradas e cabelos extravagantes — são extremamente propensos a terem personagens que poderiam ser considerados emos por nós, mas que pra eles são só mais um personagem legal. Acho que se teve alguém que inventou o jeito mais emo ou extravagante de aparência foram os próprios japoneses só que sem nem saber o que criaram (vide bandas de visual-kei, por exemplo).

Pra resumir, todo mundo tem o direito de gostar e ter opinião sobre o que quiser, mas a nossa tendência de achar que o que achamos é o mais correto é completamente inaceitável e anda na contramão do caminho para o fim do preconceito no mundo. Se alguém não gostou de “Shojo S”, ótimo, mas não falem que “os japoneses erraram” ou que “uma abertura com muita ação e música mais ágil é sempre a melhor opção e o que todos do mundo inteiro querem”. Esse “mundo inteiro” é, no máximo, nossos amigos e o pessoalzinho que conhecemos no último evento de anime, né? Bem pensamento de brasileiro, mesmo…

Detalhe, não sou anti-brasileiros ou pró-japoneses-one-hundred-percent. Se fosse, não estaria escrevendo o mesmo romance há mais de dois anos que tem como palco principalmente o Brasil. Estou expressando uma opinião mais realista, a partir da análise que eu venho fazendo do comportamento dos otakus brasileiros e também americanos. Isso sempre esteve na minha cabeça, mas, só depois do comentário do Letty (aliás, valeu Letty, você me “despertou”!) é que isso tudo que estava preso à minha mente resolveu se expor.

Pra finalizar, quero sugerir que todos estejam sempre mais abertos a tudo. A mudanças, a novidades, ao diferente, ao outro, porque na visão do outro, somos “o outro” também! Convém, portanto, escutar mais gêneros de música, ver outros tipos de arte senão apenas mangá, ler mais livros, ser mais xenófilo e menos etnocêntrico. É preciso abrir nossa mente.

No mais, relaxem e gozem! Apreciem o anime como ele é! E ouçam mais Mozart e menos Iron Maiden! (tá, essa não é preciso seguir tão fielmente XD).

8 Comentários »

RSS feed for comments on this post.

  1. Hehe, ficou um tempo sem atualizar, mas gostei pra caramba deste post.

    Primeiro, pra ser sincero, eu estranhei, mas até que gostei de Shojo S. Isso porque esperava algo com mais “ação, ação e ação”, e me vem um negócio todo diferente. Minha primeira impressão foi mesmo um” gostei não, poderia ser bem melhor”. Depois assistindo mais uma vez. ” Ficou legalzinho”. E assistindo mais um 3 vezes. “Até que não ficou nada mal. bem diferente.” O fato é que a maioria estranha algo desconhecido e já sai rotulando aquilo de cara feia, avaliando-o por uma simples e mísera primeira impressão totalmente superficial. Posso até estar incluído nesse grupo, mas em certos momentos eu volto atrás, e analiso mais profundamente as coisas. Só que pedir pra todo mundo ser “mente aberta” é pedir DEMAIS pras pessoas. Se fosse assim, o mundo estaria totalmente unido sem exceção. Se for ver a humanidade em séculos passados, todo mundo olhava os costumes de outros povos descrevendo aquilo com qualquer palavra, menos agradável. Tal como os europeus viram os índios aqui no Brasil. Apesar de tudo, o ser humano se adequa no meio onde vive, e numa cultura diferente é a mesma coisa. Tá certo, que se eu saísse de casa agora, e fosse procurar uma tribo indígena pra morar, eu ia passar um sufoco tremendo lá. Mas depois de um longo tempo, por mera sobrevivência, eu teria de me acostumar.

    Mas voltando pros animes, kra, eu fico p*** da vida quando dizem que tal personagem é emo. Sasuke, até hoje não entendo por esse cara é gay. Sempre encontro desculpas como (“não pegou a sakura ou aquela outra mulher lá do grupo dele, o tal saringan novo que parece uma flor.”) São coisas tão ilógicas e sem sentidos. Mais um exemplo, Peter Parker vira emo no filme. ( Acho que foi por isso que japonês gostou tanto dele XP). Mas apesar disso, não achei que estragaram o personagem deixando “gay”. Por que não desviam a atenção para um fato mais importante, como por exemplo, a “destruição” que fizeram no Venon. Qualquer coisinha diferente, e todo mundo já fala “seu gay”; Idem para os cantores japoneses. É realmente de se estranhar tais ações como você falou, mas que se dane! As músicas deles são f**, to escutando e tá todo mundo feliz, the end.

    Escuto Iron maiden bem pouco, mas não chega a ser meu estilo. Ainda assim a musica é legal em algumas ocasiões. Morzart, é legalzinho também uma vez a cada 5 anos XP. Se eu fizer essa proposta pra um colega meu, eu tomo p***.

    Um pouco censurada essa resposta, hehe. Mas quem entende disso, são os caras que cuidam da programação da Tv aberta. Esses, sim entendem pra caraca!!!! Um assunto legal pra tu postar também é a censura sobre os animes. Algo que me deixa p***. E os ignorante ainda acham que anime é coisa de criança. Vou mandar uma sugestão de anime hentai pro SBT passar no Bom dia e Companhia. XP Tá, isso é sacanagem! Mas imagine Bleach lá.

    Já que você não vai mais mandar novos caps de Elementais*chorando*, fico na torcida então pra que alguma editora aceite. O negócio mesmo é tentar,e não desistir.😉

  2. “O fato é que a maioria estranha algo desconhecido e já sai rotulando aquilo de cara feia, avaliando-o por uma simples e mísera primeira impressão totalmente superficial.”

    Falou tudo!

    E sei que todos serem mente aberta é praticamente impossível, mas, quanto mais pessoas de mente aberta possível, melhor.

    Não tenho nada contra o Sasuke. Até acho que os motivos dele não são muito legais também, mas, como estudante de Psicologia (acho que agora eu vou sempre mencionar isso, né? Hehe), cada vez mais é frisada a questão de que cada pessoa reage a uma situação de forma diferente. Se o que aconteceu com o Sasuke tivesse acontecido com a Sakura, por exemplo, talvez ela nem tivesse pensado em vingança. A reação do Sasuke foi essa, é como a mente dele funciona, não se pode condenar isso, mas pode-se TENTAR resolver. Talvez com algumas consultas com os psicólogos de Konoha….. Hehehe!

    Eu nem ouço Iron Maiden, pra dizer a verdade, só usei como exemplo, porque é uma banda “mainstream”.

    Censura? Pode ser, pode ser! Quando pintar a inspiração.

  3. Eu achei a opening do bleach muitoo bem feita tanto a musica(que eu achei viciante) quanto as imagens que ficaram bem diferente e legal(define perfeitamente o momento do anime).
    Acho q não precisa ser um rock pesado pra deixar a opening boa… as vezes estraga a passagem da saga do anime (ex: não adianta colocar um rock pesado em uma parte onde os personagens estão tristes ou um momento mas relaxados acho q estraga o clima que o autor quis passar)
    não importa o estilo da musica oq importa se ele consegue transmitir o clima ou os sentimentos dos personagens…
    Faz pouco tempo q tou lendo esse blog e tou gostando bastante ^^

  4. É um bom argumento! Combinar com a atual passagem do anime talvez seja a principal função da música de abertura e encerramento. Não podemos esquecer que não é só apenas o ritmo, mas a letra e as imagens também contam. As pessoas se esquecem disso.

    Obrigado e youkoso!

  5. Nossa, belo post😀
    Eu também acho ridículo esse tipo de coisa, eu tô no 1º e comprei um caderno do Naruto. Comprei mesmo, eu gosto né, fazê o quê skoapskoaskp ‘

    Aí esses dias eu tva na rua né, fui pegá meu caderno pra mostrá um negoço aí um amigo meu disse “Nossa mano, Naruto?!” Eu disse, “Oxe, o quê que tem? ¬¬”, então ele disse “Nossa mano, Naruto… Prefiro um caderno da moranguinho” ._.’

    Preconceito ridículo com animes/mangás, tudo bem se você não gostar mas respeitar é outra coisa que todos devem ter. O fato dele dizer que prefere o caderno da moranguinho até virou piada entre meus amigos saopsokspakskop’

    Também não gosto do Sasuke, acho ele ridículo mas é como você disse, cada um reage a um fato de acordo com a sua mente.

    Bem, acho que você não gostar não é o problema, o problema mesmo é a falta de respeito com as pessoas, acho que isso é o MAIOR PROBLEMA :X

  6. Respeito, respeito, respeito! Vou continuar insistindo nisso até o fim da minha existência! Hehe.

    Ninguém é igual, ninguém tem gostos iguais e ninguém está disposto a abrir mão de seus gostos para agradar os outros, então já que sabemos que não podemos mexer no que as pessoas gostam, temos que simplesmente deixá-las em paz e pelo menos respeitar.

    Porque eu acho assim: No início, acho que até deve-se tentar ver se você também gosta daquilo que a outra gosta ao tentar entendê-la melhor. Por exemplo, o seu amigo que falou isso aí de Naruto poderia ver o que era Naruto mais a fundo e talvez ver se ele mesmo pudesse gostar, esse primeiro passo é importante porque conecta mais as pessoas pelos gostos e é mais forte do que o simples respeito. Mas se isso não der mesmo, aí você deve pular para o segundo passo que é fazer o mínimo: aceitar o que os outros gostam e procurar não ficar falando mal ou fazendo piadinhas, porque nunca se sabe quando isso pode ofender alguém.

  7. Yokuo, sobre o preconceito e o desrespeito com Otakus, hoje foi o cúmulo, não tenho nem cabeça pra explicar. Se puder, visita esse post: http://internetcrazybrasil.wordpress.com/2009/06/09/otakus-sendo-discriminados/

  8. Eu já vi isso. Tá circulando em vários sites, fóruns, e comunidades. Quanta ignorância. É mesmo um pensamento medíocre. É lamnetável ver uma forma de pensamento tão… kra, não tenho palavras.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: