Personagens de mangá, sua popularidade em diferentes países e uma análise

23/01/2011 às 8:28 PM | Publicado em Animes, Besteiras, Mangás, Papo com o Leitor | 22 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Certa vez, eu li em algum site sobre a diferença da fama de alguns personagens de mangá em diferentes países. Como assim? Ora, primeiramente, é evidente que o personagem de que você mais gosta não é necessariamente o personagem preferido de outra pessoa, muitas vezes nem está no Top 5 dela. Então não é estranho que haja uma variação também da popularidade de um personagem em vários países.

Continue lendo »

Anúncios

Etnocentrismo e o Outro

19/05/2009 às 8:29 PM | Publicado em Papo com o Leitor | 8 Comentários
Tags: , , , , , ,

Originalmente isso era uma resposta ao comentário do nosso amigo Letty, no post da “Shojo S”. Mas, como ficou muito grande, resolvi fazer um post sobre isso. Só gostaria de avisar ao Letty que isso ERA uma resposta ao comentário dele, mas emendei em uma mensagem que fosse pra todos e fazendo de gancho o comentário dele. Vamos lá:

Eu quis dizer impactante de forma positiva. "Shojo S" foi impactante de forma negativa. Mas, pra mim, foi positiva, sim, já disse que gostei. Com um nome como "Shojo S", eu já esperava uma música mais tranquilinha, mais YUI, ou seja, a batida é legal. Alguns consideram "batida legal" rock pesado, mas comigo não é só isso. Não acho que foi brincadeirinha, a mente dos japoneses é muito diferente da nossa. Tenho certeza de que muito mais gente no Japão gostou da música do que aqui. Acho até que eles pensaram: "Finalmente uma abertura que não é só ceninha de ação! Algo mais artístico e bem bolado!"

Eu não queria dizer isso, mas, nós brasileiros somos chatos demais. Somos mente fechada demais. Nos achamos capazes de julgar se o modo como os japoneses estão produzindo um anime é certo ou errado, ou seja, para nós a nossa opinião, o que queremos e o nosso modo de pensar são os mais importantes (quase um etnocentrismo, hehehe) quando eles estão pouco se lixando se tem gente da América Latina assistindo ou não (até porque eles devem nos ver como tendo uma forma de pensar “bárbara, primitiva e preconceituosa”), para eles o que interessa é o modo de pensar e gostos JAPONESES. Temos que parar com isso de: "Quero música de abertura punk rock sempre, quero que o Zaraki apareça sempre, quero que o Ichigo e o ‘Emoquiorra’ morram", etc.

E aceitem, o Sasuke (sim, agora falando de Naruto) é EXTREMAMENTE popular no Japão, se não o mais popular, e aqui ele é altamente detestado, xingado e zoado. Percebem como o que impera é o que os japoneses preferem? E Naruto nem mesmo é TÃO popular assim no Japão comparado a outros certos animes e mangás. A mente deles é mesmo muito diferente, o que pra nós é coisa de menina, emo ou gay, pra eles é algo estiloso, e depois ficamos “Ps” da vida porque eles estão dando mais atenção a essas coisas do que àquilo que nós queremos que eles dêem. E o pior: Não entendemos por que eles gostam de tais coisas. Cara, é tão simples! Porque sim! Diferença de culturas, ora! Mais uma vez falo esse termo importantíssimo em sociologia, a qual venho estudando: ETNOCENTRISMO. Que é a tendência em se pensar que a cultura, costumes e modo de pensar do meio em que se vive são os melhores, os mais certos e os “normais” em comparação aos dos outros.

Mesmo que você goste de animes e queira assisti-los, prepare-se pois você VAI encontrar coisas das quais você não gosta, porque o choque de cultura e pensamento é grande demais por mais que você goste daquilo no geral. Lógico que não gostamos de coisas produzidas no ocidente também, mas, esse “não gostar” é diferente. Um é mais pela falta de qualidade de algo, o outro pela falta de entendimento.

Alguém conhece um grupo musical japonês chamado Hey! Say! JUMP? Ele é composto de dez meninos de idade entre 13 a 19 anos, por aí, que canta musiquinhas bem pop (daquelas de agradar meninas). Se um brasileiro que gosta de anime e cultura pop japonesa em geral, por mais que ele goste dessas coisas, visse algumas cenas dos bastidores desse grupo, iam achar que são gays! Porque a forma como eles agem e interagem é de um jeito diferente da amizade daqui, pois ela contém ações muito, digamos, carinhosas. Um dos membros mais velhos deixava um dos mais novos sentar no colo dele e todos comentavam o quanto o menor era kawaii (algo como “bonitinho”) fazendo isso. Pra eles, isso não é ser gay, esse tipo de termo dificilmente passa pela cabeça deles, apesar deles saberem o que é, claro, mas atos assim não são considerados como tal.

O mesmo pode-se falar dos emos. Que eu saiba, do tanto que já li coisas de lá e conversei com pessoas de lá, eles nem sabem o que é isso. Muitos brasileiros, se estivessem no Japão, iam olhar pra um garoto japonês na rua e poder pensar que ele é emo. Não! Ele nem sabe o que é isso, pra ele é só o estilo normal dele ou o que está rolando entre os adolescentes! E mangás e animes — com seus personagens de personalidades exageradas e cabelos extravagantes — são extremamente propensos a terem personagens que poderiam ser considerados emos por nós, mas que pra eles são só mais um personagem legal. Acho que se teve alguém que inventou o jeito mais emo ou extravagante de aparência foram os próprios japoneses só que sem nem saber o que criaram (vide bandas de visual-kei, por exemplo).

Pra resumir, todo mundo tem o direito de gostar e ter opinião sobre o que quiser, mas a nossa tendência de achar que o que achamos é o mais correto é completamente inaceitável e anda na contramão do caminho para o fim do preconceito no mundo. Se alguém não gostou de “Shojo S”, ótimo, mas não falem que “os japoneses erraram” ou que “uma abertura com muita ação e música mais ágil é sempre a melhor opção e o que todos do mundo inteiro querem”. Esse “mundo inteiro” é, no máximo, nossos amigos e o pessoalzinho que conhecemos no último evento de anime, né? Bem pensamento de brasileiro, mesmo…

Detalhe, não sou anti-brasileiros ou pró-japoneses-one-hundred-percent. Se fosse, não estaria escrevendo o mesmo romance há mais de dois anos que tem como palco principalmente o Brasil. Estou expressando uma opinião mais realista, a partir da análise que eu venho fazendo do comportamento dos otakus brasileiros e também americanos. Isso sempre esteve na minha cabeça, mas, só depois do comentário do Letty (aliás, valeu Letty, você me “despertou”!) é que isso tudo que estava preso à minha mente resolveu se expor.

Pra finalizar, quero sugerir que todos estejam sempre mais abertos a tudo. A mudanças, a novidades, ao diferente, ao outro, porque na visão do outro, somos “o outro” também! Convém, portanto, escutar mais gêneros de música, ver outros tipos de arte senão apenas mangá, ler mais livros, ser mais xenófilo e menos etnocêntrico. É preciso abrir nossa mente.

No mais, relaxem e gozem! Apreciem o anime como ele é! E ouçam mais Mozart e menos Iron Maiden! (tá, essa não é preciso seguir tão fielmente XD).

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.